Graduado no MIT, Oliver Yeh criou um app que coleta mais informações do que o aconselhável para explicar exposição da segurança nas redes sociais

Se há um número suficiente de pessoas ao seu redor que usam o Facebook, a rede social começa a coletar informações sobre você, mesmo que não tenha uma conta. O problema de privacidade na plataforma é ainda pior do que se imaginava, também, para quem está no ambiente. Se você evita os aplicativos, quer seja o Farmville ou o Huffington Post, porque eles acessam suas informações pessoais, ainda não está se protegendo o suficiente.

Assine a Newsletter do IT Web

Siga o IT Web no Twitter

Curta, no Facebook, a Fan Page do IT Web

Se seus amigos se inscreveram em aplicativos, estes não comprometem apenas a própria privacidade, mas a sua também. A falta de controle sobre como seus contatos utilizam  suas contas acaba afetando o controle real sobre você mesmo. Por exemplo, aqui vão os termos de serviço do Huffington Post: “Ao clicar em ‘Visite o site’ acima, este aplicativo irá receber: suas informações básicas, informações de seu perfil, descrição, aniversário, interesses e gostos. Este aplicativo pode postar em seu nome, incluindo reportagens que você leu, entre outras coisas”.

Para provar quão sério é o problema da privacidade, numa pesquisa recente patrocinada pelo site TechCrunch, um desenvolvedor de software chamado Oliver Yeh construiu um aplicativo que deveria assustar qualquer usuário do Facebook. Ele se chama Stalkbook e facilita a perseguição.

Oliver Yeh, desenvolvedor da nova start-up Appboy, é graduado pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), e concedeu uma entrevista ao Ieee Spectrum, explicando sobre os riscos de privacidade de aplicativos no Facebook. veja os principais trechos da conversa na sequência.

  1. Ieee Spectrum: Você não lançou o Stalkbook, mas tem uma demonstração online do princípio por trás disso: ele mostra como um aplicativo poderia deixar as pessoas verem as fotos de pessoas que elas não são amigas, mesmo que as fotos supostamente devam ser vistas apenas por amigos. Então, esta é uma forma mais branda de perseguição que julgou ser possível. Conte-nos como a versão da foto funciona e quão pior ela poderia ser.
    Oliver Yeh: A versão de foto funciona sempre que uma pessoa assina a aplicação, ela não revela somente suas próprias informações, mas também compromete os dados de seus amigos. Por exemplo, se eu assinar o site, então meu amigo Trevor também será cadastrado no site, só porque sou amigo dele. E, com as minhas credenciais, eu posso ver as informações de Trevor. Agora, todos na internet também podem ver informações de Trevor usando minhas credenciais. Você tem esse efeito de rede, onde você só precisa de cerca de dez por cento dos usuários do Facebook para comprometer de 80% a 90% de suas informações. 

    2. Ieee Spectrum: Então, o que exatamente o Stalkbook faz? Como ele usa minhas credenciais para ter acesso ao perfil dos meus amigos?
    Oliver Yeh: Com a API [sigla em inglês para Interface de Programação de Aplicativos]do Facebook, que é um software desenvolvido pelo Facebook  para que desenvolvedores de terceiros possam acessar as informações do Facebook – portanto, com este API, posso ter acesso a informações do meu amigo Trevor. E o que o Stalkbook faz é passar por todas as informações de um usuário e de todos os amigos do usuário e armazenar uma cópia disso no site, de modo que quando alguém visitar o Stalkbook, a pessoa passa a ter acesso a uma versão de dados do Facebook , mesmo que não tenha permissão para acessar as informações de Trevor.

    3. Ieee Spectrum: Então, você não vai fornecer o Stalkbook ao vivo, que, eu suponho, é muito assustador. Acredito que você possa ser processado, mesmo que seja legal. Então, você criou um spin-off, chamado Statsbook. O que ele faz?
    Oliver Yeh: O Statsbook é uma aplicação em que as pessoas assinam, e podem obter análise legal e interessante sobre os dados do Facebook. Por exemplo, neste momento tenho três características principais. O primeiro é onde seus amigos estão localizados. Então você verá um mapa, e você vai saber onde todos os seus amigos estão. E quando você passa o mouse por cima de cada ponto no mapa, você pode ver, tipo, “Oh, eu não sabia que eu tinha um amigo em Anchorage, no Alasca”, e você passa o mouse sobre ele, e ele é, tipo, “Oh, meu amigo Jenna está trabalhando lá”. Então é uma forma legal de se visualizar a localização dos seus amigos. Já a minha segunda característica é a “força da amizade.” Então, basicamente, ele visualiza a quantidade de interações que seus amigos têm um com o outro. Você pode ver como seus amigos estão agrupados: Esses são meus amigos da faculdade, e estes são os meus amigos da escola, e estes são os meus amigos e familiares. E você pode ver seus amigos de faculdade interagir uns com os outros, e você pode ver um agrupamento forte de seus amigos, suas interações com os outros. Quando meu amigo Trevor posta no Mural do meu amigo Jenna, então a força da amizade aumenta para ambos, e depois o resultado que se obtém é uma matriz gigante de todos os seus amigos e como eles estão relacionados entre si. Quanto mais transparente o quadrado particular, isso significa que eles têm menos interações, e quanto mais escuro o quadrado, isso significa que eles interagem muito uns com os outros.

    4. Ieee Spectrum: Eu conseguiria ver o número chocante de mensagens trocadas entre, digamos, a minha mãe e algumas ex-namoradas minhas.
    Oliver Yeh: Eu não quero acessar mensagens particulares porque mais uma vez entra no aspecto da privacidade. Acesso apenas os posts públicos, os comentários e os gostos. A terceira característica é “ativar amigos ao longo do tempo.” Então, basicamente, eu recolho todas as informações postadas – seus gostos, suas tags de fotos, e suas atualizações de status – e tento transformar isso em gráficos ou relacionar a sua atividade no Facebook ao longo do tempo. Portanto, o que descobri com minha demonstração é que nos mesmos períodos de cada ano ocorre um salto, devido aos aniversários das pessoas. Isso porque, quando é o aniversário de alguém, todo mundo posta em seus murais. Além disso, você pode ver quando a maioria de seus amigos aderiu ao Facebook, porque antes deles se juntarem, o Facebook estava vazio, e então lentamente começaram a usar o Facebook e fizeram mais amigos, e a atividade aumentou. E você também pode ver como as atividades das pessoas mudam com o tempo, como por exemplo, eu vejo alguns dos meus amigos que, depois de se formar na faculdade, diminuíram muito a sua atividade no Facebook. Eu não faço ideia do motivo para isso ocorrer, mas é muito interessante ver como cada um de seus amigos está usando o Facebook e como isso se compara com todos os seus outros amigos.

    5. Ieee Spectrum: Portanto, no mundo real, antes da internet, certas coisas eram de determinado tipo de público, mas na prática eram limitadas aos nossos colegas de trabalho, nossa família ou algum outro círculo. Depois surgiram algumas coisas que eram verdadeiramente públicas: um nascimento, um casamento, um prêmio. Acho que o que há de novo é que esse meio termo realmente não existe mais, certo?
    Oliver Yeh: Sim. Basicamente qualquer coisa que você postar no Facebook, você tem que assumir que o público poderá ver, porque mesmo que o Facebook tente introduzir proteções, permissões e controles de privacidade, realmente não há uma forma de garantir que apenas seus amigos possam ver seus dados. Mesmo se seu amigo estiver sentado no quarto do dormitório e alguém passar pelo computador, ele terá acesso as suas informações.

    6. Ieee Spectrum: E para aproveitar o seu exemplo do amigo no Alaska, esta deve ser uma informação que eles não gostariam que fosse pública ou não sabiam que era pública.
    Oliver Yeh: Sim. Portanto, com o Statsbook, estou limitando isso para que apenas você possa ver as informações de seus amigos, em vez de ficarem disponíveis para qualquer um ver.

    7. Ieee Spectrum: Mas uma versão do mal de Oliver poderia definir esse aplicativo de modo que todo mundo veja.
    Oliver Yeh: Sim, sim. Eu estava pensando sobre ter perfis públicos em que você possa ver, tipo, “Ei, este é o gráfico de localização do meu amigo; Ei, este é o gráfico de atividade do meu amigo”. Mas preciso saber como as pessoas reagiriam a isso – se tudo bem para elas ter suas informações postadas.

 

* O artigo foi originalmente publicado no Ieee Spectrum em 23 de julho de 2012” para o texto  “Espreitar no Facebook É Mais Fácil Do Que Você Imagina”. O IT Web fez uma edição moderada do conteúdo

** A Ieee, maior organização técnico-profissional do mundo, dedica-se ao desenvolvimento da tecnologia para o benefício da humanidade. Por meio de suas publicações, usadas amplamente como referência, conferências, padrões tecnológicos, e atividades profissionais e educacionais, IEEE é uma fonte confiável em várias especialidades, desde sistemas aeroespaciais, computadores e telecomunicações a engenharia biomédica, energia elétrica e eletrônicos de consumo. Saiba mais em http://www.ieee.org.

***As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicadas refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação

 

  • http://www.facebook.com/Berofh Berofh Julio Cesar

    Muito bom darem luz a esse tipo de conteúdo, gostaria de uma análise dos
    colegas confrontando Redes Conhecimento frente as Redes Sociais e como isso
    implica o poder do corporativismo frente as áreas públicas, ditas “Sociais.”

     

    Qualquer coisa entrem em contato, nunca vi uma abordagem na área, o
    assunto é melindroso, mas, o impacto encontrar-se muito evidente nos atuais
    meios de comunicação e na Sociedade da Informação inclusive a alterando.

    • http://www.facebook.com/people/Adriele-Marchesini/100000623163240 Adriele Marchesini

      Obrigada, Berofh! Continue participando. Abração

  • http://twitter.com/InstaCuteness InstaCute

    Esse aplicativo é ótimo para editar as imagens do Facebook: http://www.instacute.com

Notícias PRNewswire