Sem a necessidade de conectores, ultrabooks e smartphones virão mais leves e finos, prevê Carlos Cordeiro, do Ieee

Esqueça conectores, pendrives, cabos de toda sorte e cartões de armazenamento de qualquer tipo que seja. Estes produtos, de acordo com a organização mundial Institute of Electrical and Electronic Engineers (Ieee), estão com os dias contados por conta da introdução da tecnologia WiGig. A novidade chegará ao mercado brasileiro em 2013 e mistura os conceitos de conexão sem fio e Bluetooth, com transferência de arquivos em uma velocidade altíssima. E sem a necessidade de conectores, os dispositivos da nova geração ficarão mais finos e leves.

Assine a Newsletter do IT Web

Siga o IT Web no Twitter

Curta, no Facebook, a Fan Page do IT Web

A massificação de produtos com WiGig ocorrerá a partir de 2014, contou Carlos Cordeiro, membro sênior do Ieee e arquiteto-chefe de padrões da Intel. O brasileiro, que há anos mora nos Estados Unidos, explicou ao IT Web por telefone que a tecnologia foi produzida por fabricantes do mercado que fazem parte do instituto.

“O WiGig é mais parecido com Wi-Fi do que com as redes celulares”, introduziu Cordeiro. Enquanto o 4G atende em longa distância, entre 300 e 400 metros, por exemplo, o WiGig ficá até com dez metros, para dispositivos que estejam ao entorno do usuário. Para se ter uma ideia, o Wi-Fi convencional chega a cem metros.

Os primeiros produtos a receberem a tecnologia direto de fábrica serão computadores. A partir de 2013, a ferramenta estará presente em smartphones e tablets. Fabricantes membros do Ieee, cujos exemplos nominados pelo executivo são Intel, Dell e HP, já estão de acordo com essa tendência. Pode haver um impacto no preço a partir dos primeiros anos do lançamento (que Cordeiro estima em torno de US$ 30 por máquina), mas esta inflação deve ser diluída co o passar do tempo.

Então vamos aos pontos técnicos para depois abstrair em exemplos. O Ieee criou o padrão wireless IEEE 802.11, que definiu a fundação do Wi-Fi no mundo todo, e agora está se expandindo no padrão 802.11 com o aperfeiçoamento IEEE 802.11ad, que suporta todos os desenvolvimentos de interface.A faixa usada para o WiGig é a ISM de 60 GHz (tipicamente 57-64 GHz). “A velocidade de troca de arquivos é dez vezes maior que a convencional, atingindo 7 gbps”, contou o professor.

Para a transferência ocorrer, não é necessária conexão com a internet – portanto, não há qualquer sobrecarga na rede corporativa. A ferramenta é como um Bluetooh extremamente melhorado, com resultado mais rápido. Para que você compartilhe arquivos, é preciso que o outro dispositivo – seja um notebook, ultrabook, tablet, televisão, smartphone, projetor, dock station ou o que quer que seja – também tenha a tecnologia WiGig.

Algumas das possibilidades citadas por Cordeiro com a novidade são:

 

  • Dock station: em vez de conectar seu notebook com um cabo a uma dock station, garantindo o manuseio como o de um computador, com teclado e tela, a junção poderá ser feita com o WiGig.
  • Apresentação sem fio: quando for fazer uma apresentação em um projetor, caso ele tenha WiGig, não será necessária a utilização de cabos, pois o arquivo tocará de seu PC para a tela como em streaming.

  • Venda de mídia em aeroporto: quando estiver entre um aeroporto e outro durante viagens, haverá totens com venda de filmes, músicas e outras mídias. Apenas aproximando o seu dispositivo será possível comprar o arquivo desejado, que será baixado em seu computador em poucos segundos. “A rede celular é muito lenta, tem 5 mbps, então baixar filmes é muito demorado, leva horas”, contextualizou Cordeiro.

  • Infraestrutura menos sobrecarregada: como a transferência de arquivos ocorre em outra frequência (60 GHz) que a utilizada hoje pelas empresas (2.4 GHz e 5 GHz), a sobrecarga sobre a rede de TI é menor. “As empresas poderão oferecer aplicações baseadas em WiGig sem impacto negativo nas redes atuais”, comentou.

Diferentemente do Bluetooh, não há sobrecarga na bateria, segundo Cordeiro. Isso ocorre porque o tempo de transferência é extremamente rápido, e o WiGig só precisa ser ligado quando houver necessidade de troca de arquivos. Ele também permite um melhor desempenho da tecnologia de Near Field Communication (NFC).

 

Notícias PRNewswire